25 de maio de 2017

VSR - Vírus Sincicial Respiratório

Entenda o que é o VSR (vírus sincicial respiratório)

Saiba ainda como evitar o contágio

Por Naíma Saleh ine já!
recém-nascido; bebê (Foto: Thinkstock)












Febre baixa, tosse e coriza anunciam que um resfriado está chegando, não é? Nem sempre. Facilmente confundido, o VSR - vírus sincicial respiratório - atinge crianças e adultos e é responsável pela maior parte dos casos de bronquiolite em menores de 2 anos. Para essa faixa etária, a atenção deve ser redobrada porque, além desses sintomas, a virose provoca também falta de ar e chiado e pode exigir internação.
Segundo o estudo BREVI (Brazilian Respiratory Virus Study), o VSR é responsável por 66,7% dos episódios de hospitalização de bebês prematuros. Para chegar a esses dados, os pesquisadores acompanharam 303 bebês nascidos de até 35 semanas de gestação, em três centros de pesquisa diferentes: um em Porto Alegre (MG), um em Curitiba (PR) e outro em Ribeirão Preto (SP). Cada bebê foi monitorado pelo período de um ano. Primeiro, foram identificados 8 principais vírus associados a infecções respiratórias graves. Entre os quatro mais severos, o VSR ocupou a primeira posição, mostrando-se o mais frequente, seguido do rinovírus, do bocavírus e do metapneumovírus.
Grupos de risco


Além dos prematuros, crianças cardiopatas e  portadoras de doença pulmonar crônica merecem atenção. Enquanto, nos adultos, a doença causada pelo VSR provoca um quadro que se assemelha a um simples resfriado, nesse grupo de risco a infecção por esse vírus é muito grave. "Essas crianças têm imunodeficiência e suas vias respiratórias são minúsculas”, diz Renato Kfouri, pediatra e neonatologista do Hospital e Maternidade Santa Joana (SP) e diretor da Sociedade Brasileira de Imunização.
Segundo também explica o professor e pesquisador Marcus Jones, da Faculdade de Medicina da PUC-RS e co-autor do estudo BREVI, "o órgão dessas crianças não tolera bem o estresse de uma infecção, já que nasce com quase nenhuma ‘reserva’ de respiração, ou seja, não tem uma grande capacidade. Em caso de infecção, o pulmão e os brônquios inflamam, restringindo a passagem de ar – por isso, o chiado no peito e uma dificuldade enorme de respirar". Por isso, em situações extremas, a complicação do quadro pode levar até a óbito.
Para diminuir a gravidade da infecção, a Sociedade Brasileira de Imunização (SBIM) recomenda para esse grupo específico um tratamento injetável à base de palivizumabe, tipo de anticorpo com ação neutralizante e inibitória do vírus, que deve ser administrado entre os meses de março e setembro, quando a incidência de VSR é maior – o pico ocorre em agosto. O medicamento está disponível no SUS, em todos os estados brasileiros
Contágio
No mundo todo, o VSR representa 33,8 milhões de novos episódios anuais de infecção respiratória no trato inferior (que inclui os pulmões, a traqueia e os brônquios) em crianças menores de 5 anos de idade. Dentre os registros, foram apontados 3,4 milhões de hospitalizações e 66 a 200 mil óbitos (99% deles nos países em desenvolvimento). Estes números são provenientes de uma pesquisa publicada no períodico científico The Lancet em 2010.
Estima-se que 100% das crianças contraiam o VSR até os 3 anos de idade porque, nessa fase, a facilidade de contágio é muito grande. O vírus se dissemina por meio do contato entre as secreções de uma pessoa contaminada e as mucosas de uma pessoa saudável, o que pode acontecer se a primeira pessoa espirrar, tossir ou falar muito perto da segunda. Além disso, o vírus pode sobreviver por até seis horas em superfícies porosas – como as de brinquedos.
Prevenção e diagnóstico
O grande problema do VSR é que, ao contrário do que acontece com outras doenças, como a catapora, o corpo não cria imunidade ao vírus após o primeiro contato. “Geralmente, a criança desenvolve bronquiolite aguda, que provoca principalmente falta de ar e chiado no peito. Depois disso, é possível que haja episódios recorrentes, atribuídos ao VSR”, explica a pediatra Patrícia GM Bezerra, do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP), de Recife (PE). Por isso, fique atenta a essas formas de prevenção:
• Amamente: o leite materno é fundamental para fortalecer o sistema imunológico da criança;
• Fuja de aglomerações de pessoas;
• Evite o contato das crianças com adultos que apresentem sintomas de resfriado ou gripe;
• Mantenha seu filho longe de fumaça de cigarro. O tabagismo passivo irrita as vias aéreas e favorece a infecção.
Vale lembrar que outra dificuldade desse vírus é o diagnóstico, que só pode ser comprovado a partir de exames laboratoriais. “Como a bronquiolite começa com um quadro de gripe simples, a mãe precisa observar se o bebê está respirando com dificuldade”, alerta Jones. Caso isso aconteça, é hora de procurar ajuda urgente. O mesmo vale para quando ele não conseguir se alimentar direito.
Meses de maior risco do VSR

O grande avanço em relação à prevenção contra o VSR são os estudos que mapeiam o processo de disseminação do vírus, estabelecendo quais são os períodos em que a doença começa a se espalhar. Nos países de estações bem definidas, como os Estados Unidos, o vírus costuma circular durante as estações de outono e inverno - apesar disso, ele não está vinculado a baixas temperaturas.
No Brasil, o período de proliferação do VSR começa na região norte, entre o fim de dezembro e o começo de janeiro, depois, avança em sentido sul. No nordeste, o VSR chega por volta de março, coincidindo com o período de chuvas. Mais tarde, ele atinge as regiões sudeste e sul, normalmente entre os meses de junho e agosto.

24 de maio de 2017

Música ao vivo no Dia de quem cuida de mim


O Walter é o pai do Lucas e do Matheus, ambos frequentam a nossa escola e, é esposo da monitora Meirylan da turma do Ag I/II B. Ele nos presenteou com o seu talento, cantando e tocando para as nossas famílias presentes no evento do Dia de quem cuida de mim.
Agradecemos a sua colaboração e disponibilidade e que venha os próximos eventos!!!




video

17 de maio de 2017

Atenção

Srs. Pais/Responsáveis,

Conforme Calendário Escolar, lembramos que no dia 19/05/2017 (sexta-feira) não haverá aula, pois a Equipe Escolar estará em Formação.

Atenciosamente,

A Direção

15 de maio de 2017


EMOÇÃO E COMPANHEIRISMO...
"O DIA DE QUEM CUIDA DE MIM"..

No dia 12/05 as crianças e os acompanhantes puderam desfrutar de momentos de companheirismo e descontração, o evento reuniu avós, mães, pais, tios e primos em comemoração ao "Dia de quem cuida de mim", dedicado a todas as pessoas que se doam diariamente no cuidado e educação das crianças.Tivemos uma manhã agrádavel, com lanche confeccionado pelas crianças, música - Valter o pai do Lucas e Matheus, prestou uma homenagem a todos -, e pintura de painéis no parque. 




Pintura dos painéis





Reunidos apreciando belas músicas na interpretação do Walter

Foi uma tarde muito agradável

Agradecemos ao Walter pela contribuição para o Dia de quem cuida de mim







VAMOS PREPARAR UMA SURPRESA?

CULINÁRIA GELATINA DE FRUTAS
PARA O "DIA DE QUEM CUIDA DE MIM"...

Na quinta-feira, dia 11 de maio, todos os agrupamentos se reuniram para realizar uma experiencia culinária: a gelatina de frutas para o  evento do dia 12/05. Quando receberemos familiares, amigos e comunidade em comemoração ao "Dia de Quem Cuida de Mim".
As crianças degustaram as frutas que foram utilizadas para a realização da gelatina: maçã e pera.


Profª Fátima e monitora Andreia coordenando a culinária.


Todo mundo pode colocar um pouco de força e carinho para nossa surpresa.


Prof ª Fátima adicionando as frutas à gelatina.

Profª Priscila auxiliando no processo.

Um esforço conjunto entre os agrupamentos para que a receita fosse um sucesso.













20 de março de 2017

CULINÁRIA DA PÁSCOA

         
PARTILHA, CULINÁRIA DA PÁSCOA

Na quinta-feira, dia 13/04, todas as turmas se reuniram no refeitório para realizar uma culinária de Páscoa: a palha italiana. Para as crianças com restrições alimentares ou alergias foram reservados ingredientes especiais. A professora Fátima com a ajuda de todos os profissionais e a colaboração da Equipe da Cozinha e da Faxina, realizou a receita.



Diversas crianças ajudaram na confecção da receita.






As crianças ajudaram a colocar os ingredientes na panela

Degustaram a bolacha que faz parte da receita

Delícia de culinária! hummmm

Agora é a hora de colocar o chocolate!!!

Olhos atentos para observar a transformação dos ingredientes 


Tá na hora de misturar

"Mexe, mexe com as mãos"

Desta vez, são os adultos que precisam mexer, as crianças só observam

Todos prestando mutia atenção para não perder nenhum detalhe da receita


















20 de outubro de 2016






ATIVIDADES DIFERENCIADAS MÊS DAS CRIANÇAS

20/10/2016.... só alegria, pula-pula no campo..

Dia fresco... muita diversão e algodão doce...